logo str vazada1 

   Não fique só, fique sócio!

radioserranegra 104 logoooo vazada 

Espaço de Convivência Comunitário do Cebolão é ampliado

WP 20160318 10 59 44 Pro - CópiaPATROCÍNIO - O Centro Comunitário Manoel Ferreira “Cebolão”, sede do Conselho de Desenvolvimento Comunitário do Distrito de São João da Serra Negra, está sendo ampliado.  Um Galpão Multiuso de 410m² (quatrocentos e dez metros quadrados) está sendo construído ao lado do atual salão ampliando o espaço de convivência da comunidade.

O recurso financeiro no valor de R$ 75.000,00 (setenta e cinco mil reais) é originário da Secretaria de Governo de Minas Gerais direcionado para essa obra através de emenda do Deputado Estadual Deiró Marra (PSB) a pedido do vereador Joel de Carvalho. Será possível com o recurso realizar a fundação, piso e a instalação da cobertura em estrutura metálica.

Segundo Odirlei Magalhães, presidente do Conselho,  “essa obra é de grande importância na medida que propiciará a ampliação do espaço  de convivência do centro comunitário dando melhores condições pra realização de eventos diversos”, afirmou.  

 

WP 20160318 10 59 44 Pro

Polícia Federal cumpre 110 ordens judicias em nova fase da Lava Jato

300866BRASÍLIA - A Polícia Federal (PF) deflagrou mais uma etapa da operação Lava Jato nesta terça-feira (22), denominada "Xepa". A operação investiga a estrutura interna da Odebrecht para pagamento de propina para vários setores, inclusive a Petrobras. Uma viatura da Polícia Federal entrou no início da manhã dessa terça-feira (22/03) no hotel Royal Tulip, em Brasília, endereço de políticos na capital federal e saiu por volta das 7h40, sem presos.  Desdobramento da 23ª fase, a "Acarajé", em que o marqueteiro João Santana e sua mulher e sócia, Mônica Moura, foram presos - o casal trabalhou nas campanhas presidenciais de Luiz Inácio Lula da Silva em 2006 e de Dilma Rousseff em 2010 e 2014 -, na etapa desta terça estão sendo cumpridos ao todo 110 ordens judiciais, sendo 67 de busca e apreensão, 28 de condução coercitiva, 11 de prisão temporária e quatro de prisão preventiva.

Odebrecht

As medidas deflagradas nesta manhã estão ocorrendo a partir da análise do material apreendido em etapas anteriores em que se descobriu que o Grupo Odebrecht mantinha um esquema de contabilidade paralela para pagar propina a pessoas ligadas ao poder público.  Há indícios concretos de a construtora "se utilizou de operadores financeiros ligados ao mercado paralelo de câmbio para a disponibilização de tais recursos", diz a PF. As sedes da empreiteira Odebrecht na Bahia, no Distrito Federal e em São Paulo são alvos de buscas.

Além do hotel, em Brasília, a PF cumpre mandados em pelo menos outros três endereços. Lula estava hospedado nesse hotel pelo menos até a madrugada desta terça. Não há a informação, porém, se Lula é um dos alvos dessa etapa da operação. No momento em que os agentes já cumpriam as medidas no interior do Royal Tulip, Dilma passou pedalando sua bicicleta a aproximadamente 50 metros da portaria do hotel.

Na noite de segunda (21), o ex-presidente jantou com Dilma para discutir a possibilidade de o governo manter a sua posse como ministro da Casa Civil, contestada pelo Supremo Tribunal Federal (STF), já que o ministro Gilmar Mendes a considerou uma forma de tentar dificultar as apurações da Lava Jato. Caso o governo vença no Supremo e Lula ocupe a cadeira ministerial, ele passará a ter foro privilegiado e, consequentemente, sai da alçada da operação em Curitiba.

Folha press/Divulgação

União negociará com Estados

imageBRASÍLIA - Em uma tentativa de mostrar que não está paralisado por causa do processo de impeachment, o governo federal apresentou nesta segunda algumas propostas que alteram as regras sobre os gastos públicos.  Uma delas é o Projeto de Lei Complementar que trata da renegociação das dívidas estaduais, o que pode abrir espaço para que esses governos possam gastar R$ 45,5 bilhões entre 2016 e 2018. Somente em 2016, serão R$ 9,6 bilhões.

Conforme já anunciado pelo governo, Estados e municípios terão mais 20 anos para pagar suas dívidas com a União. Foi autorizada ainda a renegociação das operações de crédito contratadas até 2015 junto ao BNDES, com prazo adicional de dez anos, sendo que há carência do principal por quatro anos. Nesse período, paga-se apenas os juros. Para ter direito ao benefício, os Estados deverão atender algumas exigência. Durante 24 meses, ficam proibidos: novos reajustes salariais do funcionalismo, novos benefícios fiscais e nomeação de novos servidores. Também é necessário limitar o crescimento da despesa à variação da inflação e reduzir a despesa mensal com cargos de confiança em 10% em relação a junho de 2014.

Além disso, será cobrada uma mini reforma previdenciária do funcionalismo público estadual, com aumento de contribuição e adoção obrigatória de um sistema de previdência complementar, e a aprovação de leis de responsabilidades fiscais estaduais, entre outras exigências. Ao anunciar a medida, o ministro Nelson Barbosa (Fazenda) afirmou que não há hoje um problema com o estoque da dívida, mas de falta de dinheiro para pagá-la, o que deve ser resolvido com essas mudanças.

Alguns Estados pediram ainda um auxílio adicional, a redução de 40% na prestação por 24 meses. Nesse caso, haverá uma contrapartida adicional: reduzir em mais 10% a despesa mensal de cargos de confiança, limitar despesas de propaganda e publicidade e não realizar novas operações de crédito por oito anos. Barbosa também fez um balanço de seus três meses à frente do ministério. Ele disse que resolveu pendências deixadas por seu antecessor, Joaquim Levy, como a troca do indexador da dívida dos Estados. Ele disse ainda que a Fazenda tem se esforçado para transformar o ajuste fiscal em uma reforma financeira mais completa. “Reformas geram impactos daqui a dois ou três anos, mas há impactos positivos imediatos na visão do mercado”, disse.

Agência Brasil/Divulação

Sobe para 25 o número de mortos com as chuvas em São Paulo

 

chuvaSÃO PAULO - O número de mortes causadas por inundações e soterramentos no Estado de São Paulo aumentou para 25. Na noite deste domingo (13), o Corpo de Bombeiros localizou o corpo de mais uma vítima de um deslizamento de terra em Mairiporã. Além disso, em Franco da Rocha, foi encontrado o corpo de homem que havia sido arrastado pela enxurrada. Ao longo do dia, em Mairiporã, os bombeiros resgataram os corpos de quatro vítimas de um soterramento no bairro Parque Náutico. Pouco antes das 14h, ele chegaram aos corpos de um adulto, de uma adolescente e de um bebê. À noite, encontraram o de uma criança de 12 anos. Em Franco da Rocha, a prefeitura confirmou, em nota, a morte de Rui Francisco de Brito, 57, cujo corpo estava próximo a um ginásio na região central da cidade. Neste sábado (12), havia sido registrada a morte de uma pessoa de aproximadamente 30 anos. Ambos se afogaram.

Panorama da tragédia

Ao todo, 25 pessoas morreram em São Paulo. Em Francisco Morato, oito pessoas perderam a vida após deslizamentos de terra. Em Mairiporã, houve nove mortes. As demais vítimas são de Cajamar, Guarulhos, Itapevi, Itatiba e Franco da Rocha. Segundo os últimos dados disponível da Defesa Civil estadual, 2.965 pessoas estão desabrigadas ou desalojadas (na casa de familiares e amigos). Todos esses casos foram registrados em nove cidades: Atibaia, Cabreúva, Caieiras, Cajamar, Franco da Rocha, Francisco Morato, Mairiporã, São Roque e Santa Isabel.

Nesse sábado (12), a presidente Dilma Rousseff (PT) sobrevoou áreas atingidas pelas cheias. Após ver os estragos, ela anunciou a liberação de recursos para prefeituras. "A partir do reconhecimento do estado de emergência, liberamos um cartão para o prefeito fazer os pagamentos menores, mediante comprovação. Entre as cidades visitadas pela petista estava Francisco Morato. Lá, moradores relatam que se sentem inseguros depois do temporal e planejam se mudar.

Folha Press/ Divulgação

Atos isolados em defesa do governo são registrados

 

imageBRASÍLIA - Apesar das recomendações de centrais sindicais e do próprio PT, movimentos isolados em defesa do governo e do projeto político da legenda ocorreram em diversas partes do país. Em São Bernardo do Campo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) recebeu apoio de cerca de 400 manifestantes em frente ao prédio onde mora. Vestido de vermelho, Lula acenou de sua sacada e chegou a sair para cumprimentar o grupo, que levava cartazes com dizeres como “Chega de antipetismo” e “Lula, o melhor presidente do Brasil”. Ele foi aplaudido e tirou fotos com os manifestantes. Membros da União da Juventude Socialista (UJS), que participavam do ato, carregavam uma grande faixa com o escrito “#nãovaitergolpe”.

Agência Brasil/ Divulgação

Manifestações aconteceram em pelo menos 200 cidades e 17 Estados

DSC 0969BELO HORIZONTE - Cerca de 3 milhões de brasileiros foram às ruas neste domingo (13), em pelo menos 200 cidades e 17 Estados, para protestar contra a corrupção e o governo da presidente Dilma Rousseff. Em praticamente todos os lugares os manifestantes vestidos de verde e amarelo bradavam: “Fora Dilma”, “Lula na cadeia”, “somos todos Sérgio Moro”. O juiz da operação Lava Jato foi exaltado como herói pelo país afora – muitos vestiam, como no Carnaval, a camisa do “Morobloco”, com a foto do magistrado estampada.

Na maioria das cidades, as manifestações começou logo cedo e eram noticiadas em tempo real em todas as mídias. Em São Paulo, o público começou a chegar no fim da manhã e, como esperado, superou todos os atos já realizados na cidade, reunindo mais gente do que as “Diretas Já”, em 1984. Segundo contagem final do Datafolha, cerca de 500 mil pessoas marcaram presença na região da avenida Paulista. Já a Polícia Militar (PM) divulgou 1,4 milhão.  Enquanto Moro era o herói, Aécio Neves (PSDB-MG) e Geraldo Alckmin (PSDB-SP) foram hostilizados como “oportunistas” por um grupo de pessoas ao chegar no protesto. O senador mineiro já tinha feito uma passagem em Belo Horizonte mais cedo junto ao seu colega de partido e Senado Antonio Anastasia.

Patrocínio 

Patrocínio também teve a sua manifestação que contou com cerca de aproximadamente 200 pessoas, segundo os organizadores do evento realizado a partir das 10 horas da manhã desse domingo (13) .  Várias pessoas conhecidas da sociedade patrocinense participaram, a maioria com familiares . A manifestação saiu da Praça Honorato Borges, seguiu pela rua Presidente Vargas, Avenida Faria Pereira e em frente ao Banco do Barsil seguiu até a Praça Santa Luzia, onde teve seu ponto alto como mostra a foto do site do www.patrociniooline.com.br

 

O Tempo com informações/ Divulgação

Sindicato amplia espaço físico do Supermercado

AMPLIAÇÃO PATROCÍNIO - O Supermercado do Sindicado dos Trabalhadores Rurais de Patrocínio vem passando por uma ampla e moderna ampliação desde o início desse mês de fevereiro.  A previsão e de que as obras estejam completamente concluídas dentro dos próximos 90 dias e deve aumentar em 80% o espaço físico do local, afirma o presidente da entidade Odirlei Magalhães, o que dará mais espaço entre as gôndolas e o aumento do número de caixas de 4 para 8, dando maior vazão ao fluxo de clientes.

Magalhães ressalta que em 70% de pesquisas feitas em produtos da cesta básica na cidade, o Supermercado tem saído à frente com preços mais em conta dentre os mais de 7 mil itens que revende. O Supermercado do STR gera atualmente 45 empregos diretos e outros indiretos. Associados ou não podem aproveitar os preços mais em conta oferecidos pelo Supermercado do Sindicato dos Trabalhadores Rurais, contudo, somente associados tem direito a participar das promoções realizadas todos os meses. A iniciativa de ampliação do espaço físico partiu da diretoria que tem a frente Odirlei Magalhães como presidente e vice Joel de Carvalho, que buscam facilitar a vida dos clientes oferecendo maior comodidade na hora das compras.

ASCOM/Foto divulgação

Em cenários testados, Lula perderia todas as eleições contra Aécio

President Lula in 2006 3BRASÍLIA Um dos pontos abordados pela pesquisa CNT/MDA, organizada pela Confederação Nacional de Transporte e divulgada nesta quarta-feira (24) foi a eleição presidencial de 2018 e qual é a intenção de voto espontânea no 1º turno.  Diversos cenários hipotéticos foram montados e questionados aos entrevistados. Quando nenhum nome foi mencionado e os entrevistados responderam a questão apenas com as referências mais imediatas, Aécio Neves (PSDB-MG) recebeu 10,7% das respostas, seguido por Lula (8,3%), Marina Silva, do PSB (3,9%), Jair Bolsonaro, do PP-RJ (3,2%), Dilma Rousseff (1,6%), José Serra (1,3%) e Geraldo Alckmin (0,8%) -os dois últimos são do PSDB de SP.

Outros três cenários foram imaginados para o primeiro turno em 2018.


Em um dos cenários, Aécio teria 24,6% dos votos, seguido por Lula (19,1%), Marina Silva (14,7%), Bolsonaro (6,1%) e Ciro Gomes (5,8%).

Em outro, Lula teria 19,7% dos votos, Marina Silva, 18%, Geraldo Alckmin, 13,8%, Ciro Gomes, 7,4%, e Jair Bolsonaro, 6,3%.

No terceiro cenário, Lula aparece com 19,7% das intenções de voto, seguido por Marina Silva (17,8%), José Serra (14,5%), Ciro Gomes (7,2%) e Jair Bolsonaro (6,4%). Entre seis cenários do 2º turno, Aécio Neves ganharia em três disputas, Marina Silva em duas e Ciro Gomes em uma.

Contra Lula, o tucano teria 40,6% dos votos e o petista levaria 27,5%. Aécio teria 43,1% dos votos caso concorresse com Ciro Gomes, que levaria 16,7% dos votos. Num terceiro cenário, o tucano aparece com 38,4% de intenções de votos, enquanto Marina Silva tem 26,6%.

Contra Ciro Gomes, Marina tem 33% das intenções de voto, e seu concorrente tem 24%. Se enfrentasse Lula, Marina ganharia 36,6% dos votos, enquanto o petista teria 26,3%. Em um embate entre Ciro Gomes e Lula, o primeiro teria 29,1% dos votos, enquanto o segundo tem 28,2%.

Agência Brasil/ Divulação

Agência de risco tira selo de bom pagador do Brasil

size 810 16 9 moodysBRASÍLIA - A agência de classificação de risco Moody's anunciou nesta quarta-feira (24) o rebaixamento da nota de crédito do Brasil, o que significa que o país perdeu o último selo de bom pagador que detinha em agências de risco.  A nota do país foi cortada em dois degraus, de Baa3 -último nível de grau de investimento- para Ba2. A perspectiva é negativa. Em dezembro, a Moody's já havia sinalizado que poderia cortar a nota do país, ao colocar a nota do país em observação, revisando a perspectiva de "estável" para "negativa".

Em comunicado, a Moody's afirma que o rebaixamento reflete a perspectiva de piora nas contas do Brasil em um cenário de baixo crescimento, com o endividamento do governo inclinado a superar 80% do PIB (Produto Interno Bruto) dentro de três anos.  A perspectiva negativa, prossegue a agência, reflete a visão de que os riscos estão dirigindo a uma consolidação e recuperação ainda mais lentas, e que choques adicionais podem emergir, o que cria incertezas em torno do grau de piora do perfil de dívida do Brasil no horizonte da nota de crédito.

O anúncio ocorre exatamente uma semana após a agência Standard & Poor's cortar pela segunda vez a nota do país em cinco meses, avaliando que o processo de ajuste da economia será mais prolongado do que o esperado. A perspectiva da S&P é negativa.  A S&P foi a primeira agência a retirar o selo de bom pagador do país, em setembro do ano passado. Três meses depois, foi a vez de a agência Fitch também retirar o grau de investimento do Brasil. A Moody's era a última agência entre as três grandes que mantinha o país como grau de investimento, mas o rebaixamento já era esperado pelo próprio governo.

Folhapress/ilustração

Para o Inca, parecer científico sobre ‘fosfo’ ainda é precipitado

downloadSÃO PAULO -  Em resposta a uma solicitação do Supremo Tribunal Federal (STF), o Instituto Nacional de Câncer (Inca), no Rio, emitiu um parecer técnico sobre a fosfoetanolamina sintética, substância que ficou conhecida como “pílula do câncer”. O documento tem apenas duas páginas e resume a opinião da instituição em um parágrafo. Segundo o Inca, seria “antecipada e precipitada qualquer decisão terapêutica relacionada à fosfoetanolamina” antes da realização de estudos controlados sobre a substância.

“Ressalta-se que procedimentos terapêuticos necessariamente são embasados em evidências científicas”, diz o parecer, assinado pelo coordenador de Assistência do Inca, Gélcio Luiz Quintella Mendes. “Portanto, somente ao término dos estudos pré-clínicos e clínicos desta substância poder-se-á elencar as possibilidades ou não de uso como medicação anticancerígena”.

O parecer foi encomendado pelo presidente do STF, ministro Ricardo Lewandowski, com o objetivo de subsidiar um julgamento da Corte sobre os milhares de processos que estão sendo movidos por pacientes para obrigar a Universidade de São Paulo (USP) a produzir e fornecer a substância.

O Tempo/Ilustração